fbpx

Na rota dos sorvetes italianos

Tanta coisa aconteceu desde a minha última coluna aqui no Na Minha Panela até hoje. Os meninos voltaram para o Rio, eu conheci um monte de lugares e até mudei de estado – hoje escrevo essas mal traçadas linhas de uma fria Curitiba.

Para retornar com a Comidinhas do Mundo em grande estilo, junto com o Na Minha Panela, trago uma listinha dos mais gostosos sorvetes que provei na minha última ida à Itália. Não importa que o inverno esteja chegando, eu sou daquelas que acha sorvete bom a qualquer hora. Inclusive nessa viagem todos os gelatos foram provados (e aprovados) com muito frio e várias camadas de roupa.

O primeiro sorvete em Roma a gente nunca esquece. E esse era meio impossível mesmo, pois além de ser delicioso, a sorveteria ficava bem embaixo do nosso hostel. Ou seja, depois de descer alguns lances de escada a recompensa era um belíssimo sorvete de pistacchio da L’Orso Bianco. Outro endereço na capital italiana é o Punto Gelato , com uma infraestrutura mais moderna e apresentação impecável, está enganado quem pensa que o sorvete vai ser mais caro. Assim como na primeira, o cone simples não passa dos 2 euros. Escolha o sabor, pegue seu casquinho e vá caminhar às margens do Tibre.

gelatos_raphaaretakis (1 de 5) gelatos_raphaaretakis (2 de 5) gelatos_raphaaretakis (3 de 5)

Saindo da região do Lázio num trem rumo à Toscana, em Florença, além de todo o charme e história da cidade, os sorvetes da Perché No! – eleita uma das 25 melhores sorveterias do mundo–, são de tomar de joelhos. Nessa parada provamos o maior número de sabores: Nozes, Caqui, Pistache – claro –, Morango e Baunilha. Todos maravilhosos diga-se de passagem.

Em Veneza, entre uma caída de queixo e outra, há sempre tempo para uma maravilha gelada. Em 2007 eu tomei umas 3 vezes um tal de Crema Veneziana, dessa vez, não achei o sabor em lugar algum. Penso até que foi alucinação do calor escaldante do verão… Foi até bom não achar, pois me permiti provar o Marrom Glacê da GROM. Paixão à primeira colherada.

Por fim, a incoerência da lista: Provei as pétalas da Amorino em plena Paris! Mas como ele é italiano, entra no meu rol assim mesmo.

Tudo isso para dizer: Na Itália, como os italianos. Se jogue na sorveteria mais próxima!

>> Rapha Aretakis é travel blogger do raphanomundo.com e acha que o mundo é muito grande para continuar parada no mesmo lugar.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − onze =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nenhum comentário para essa receita. Seja o primeiro :)

Anterior
lasanha mexicana
Na rota dos sorvetes italianos